Ao menos 30 pessoas estão desaparecidas após avalanche atingir hotel na Itália

da ANSA Brasil

Equipes do Corpo de Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de uma avalanche que ocorreu na cidade de Farindola e atingiu um hotel. Foto: Matteo Guidelli/divulgação/Agência Lusa

Um hotel na cidade de Farindola, na província italiana de Pescara, foi atingido por uma avalanche na noite de ontem (18) e deixou dezenas de pessoas soterradas. De acordo com fontes locais, 22 hóspedes tinham feito check-in ontem no Hotel Rigopiano, além dos funcionários, o que totalizaria 30 desaparecidos.

Os bombeiros que conseguiram chegar ao hotel Rigopiano informaram que o local está “completamente destruído”. “A situação é dramática, o hotel foi totalmente destruído, ficou em pé apenas um pedacinho”, relatou um dos bombeiros. “Há toneladas de neve, quartos destruídos e detritos que soterraram a área onde estava o hotel. Há colchões destruídos a centenas de metros de onde estava a estrutura”, disse Luca Cari, responsável pela comunicação de emergência dos bombeiros.

Em entrevista à agência ANSA Brasil, o líder das operações de busca e resgate, Antonio Crocetta, disse que “há muitos mortos”. As pessoas soterradas estão há horas debaixo dos escombros e expostos às baixas temperaturas, já que neva no local. O hotel teria desabado parcialmente, enquanto a outra parte estaria debaixo da neve trazida pela avalanche.

“Eu me salvei porque sai do hotel para pegar uma coisa no carro”, disse o médico Giampaolo Parete, de 38 anos, que ontem deu o alarme da avalanche. Sua esposa e seus filhos ainda estão sob os escombros. “A avalanche chegou e eu fiquei submerso na neve, mas consegui sair. O carro não ficou atolado e eu esperei as equipes de socorro chegar ali”, contou.

Especialistas acreditam que a avalanche tenha sido provocada pelos quatro terremotos que atingiram a zona central da Itália na manhã de ontem (18), todos com magnitude de 5.0 a 5.4 graus na escala Richter. O hotel fica na região de Abruzzo, uma das mais afetadas pela neve e pelos terremotos.

Cerca de 300 mil pessoas estavam sem energia elétrica no começo da semana na região porque o gelo prejudicou os sistemas de transmissão. Em sua página no Twitter, o hotel tinha informado os hóspedes que estava sem linha telefônica por causa das más condições climáticas. Nenhum dos terremotos de ontem provocou mortos, apenas danos estruturais. Os tremores foram sentidos até na capital da Itália, Roma, que fechou as escolas e os serviços de metrô.

Terremotos e neve

Desde agosto do ano passado, a zona central da Itália sofreu dezenas de terromotos e réplicas, gerando uma média de 1 tremor a cada 5 minutos, devido aos movimentos tectônicos na região. Pedidos de resgate e operações- Um casal que está entre os hóspedes do hotel enviou uma mensagem de texto aos serviços de emergência da Itália pedindo ajuda.

“Ajuda, ajuda, estamos morrendo de frio”, diz o texto. As equipes de resgate estão usando skis de patinação para chegar aos escombros do hotel. A neve no local chega a uma altura de 4 metros e impediu até o acesso dos carros de resgate e ambulâncias, que tiveram que estacionar a uma distância de 9 km.

“Chamamos pelas pessoas, mas ninguém responde”, confessou um dos socorristas. Até o momento, as equipes resgataram apenas um corpo de dentro dos escombros, de um homem. O primeiro alerta de avalanche foi dado às 19h56 de ontem (16h56 de Brasília).

Às 23h locais (20h de Brasília), as equipes de resgate informaram que estavam partindo em direção ao hotel, mas que levariam cerca de duas horas para chegarem ao posto. Naquele momento, falava-se em apenas 3 desaparecidos. O tamanho da tragédia só foi percebido durante a madrugada de hoje.

Publicidade