Investimentos globais em pesquisa e inovação ultrapassam US$ 700 bilhões, mostra estudo

Eduardo Fusaro, diretor da Strategy& (Foto: João Castellano Divulgação)

Os investimentos globais em pesquisa e desenvolvimento cresceram 3,2% em 2017, atingindo US$701,6 bilhões e superando, pela primeira, vez a marca de US$ 700 bilhões. Em 2016, foram investidos US$ 680 bilhões. A indústria de software e internet puxou o aumento, com crescimento de 16,1% em P&D, seguido pela indústria de saúde com 5,9% de acréscimo. Até 2018, este segmento deve liderar os investimentos em inovação. É o que mostra a 13ª edição do Globo Innovation 1000, estudo realizado pela Strategy&, consultoria estratégica da PwC.

Quatro empresas brasileiras figuram no ranking de investimento em inovação da Strategy&: a Petrobras com US$ 561 milhões, a Vale S.A. com US$ 337 milhões, a Embraer com US$ 212 milhões e a TOTVS com US$ 102 milhões. No mundo, a Amazon aparece como a empresa que mais investe em P&D. Na edição 2016, a companhia ocupou a terceira posição no ranking.

Em geral, os setores de computação e eletrônica, saúde e automotivo são os que mais investiram em P&D industrial, representando 61,3% dos recursos globais do setor em 2017.

O Global Innovation 1000 revela ainda que o investimento em pesquisa e desenvolvimento na China caiu 3,3%, após anos de crescimento acima dos dois dígitos. Em 2015, 80% dos investimentos realizados no país foram por empresas estrangeiras.

Em contrapartida, o Japão aumentou pela primeira vez em cinco anos os investimentos no setor, chegando a 5,9% de crescimento. Na América do Norte, o aumento segue moderado e, em 2017, chegou a US$ 308 bilhões.

Nacionalismo econômico

O estudo mostrou que o crescimento do nacionalismo econômico poderá impactar os esforços globais em P&D das empresas. De 562 executivos ouvidos pela pesquisa, 52% expressaram preocupações com o crescimento do discurso prol nacionalismo econômico e 23% afirmaram já ter experimentado pressões no exterior pela mudança da abordagem em relação à inovação.

“Embora os objetivos e os níveis de investimento em inovação corporativa provavelmente não mudem – mesmo com o crescimento do nacionalismo econômico – o modelo de inovação global precisaria evoluir para a nova realidade”, diz Eduardo Fusaro, diretor da Strategy&. “Podemos migrar do que é hoje uma rede ágil e interdependente, para grupos mais autônomos, contratando talentos especializados em mercados locais, com a abertura de futuros centros de P&D em mercados regionais. Caso não sejam gerenciadas efetivamente, estas mudanças podem significar perda de eficiência e custos mais elevados para as empresas”.

Em 2015, 94% das grandes empresas possuíam áreas de pesquisa e desenvolvimento em diferentes países. No entanto, a crescente discussão sobre políticas de vistos, movimentos trabalhistas e regulação do conhecimento tecnológico estão levando ao questionamento da sustentabilidade de suas redes de inovação.

O estudo mostra ainda que 33% dos executivos já sentiram os efeitos das restrições nos vistos de trabalho em suas companhias, impactando na contratação e retenção de talentos em P&D, diminuindo a oferta de mão de obra no setor.

“Foi um ano de altos e baixos para o setor de P&D. Com níveis recordes de investimento, ao lado de quedas sem precedentes no alinhamento entre inovação e estratégias de negócios. Não há dúvida de que as incertezas estão impactando os planos de médio e longo prazos nas empresas, independentemente de a realidade política acompanhar ou não a retórica protecionista”, afirma Fusaro.

Para os participantes da pesquisa, os EUA, o Reino Unido e a China são os países que apresentam maior risco de mudanças políticas com potencial para afetar os níveis de investimento em P&D. Nos EUA e Reino Unido, os principais riscos são de interrupções no fluxo de talentos. Já para a China, as principais preocupações do setor estão relacionadas ao declínio nos investimentos corporativos e a dependência de recursos externos. O estudo aponta, também, que nações como o Canadá, a Alemanha e a França seriam beneficiadas caso políticas protecionistas se tornem uma realidade.

Sobre o Global Innovation 1000 – 2017

O Global Innovation 1000 analisa as 1000 empresas de capital aberto que mais investiram em pesquisa e inovação no último ano fiscal, encerrado em junho de 2017. Participaram do estudo as companhias que divulgaram dados sobre investimentos em P&D.

As empresas participantes do Global Innovation 1000 são responsáveis por 40% do investimento global em P&D. Mais informações sobre o estudo em: www.strategyand.pwc.com/innovation1000

Deixe um comentário para este conteúdo

O Agora no RS não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários realizados pelos usuários. O veículo pode, a qualquer tempo, moderar, excluir ou banir qualquer conteúdo publicado por estes em qualquer seção do site ou de suas páginas na rede social Facebook.